Lanchinho da Madrugada (parte 2)

  O bolo assassino sumira. Por enquanto.

   Para onde ele foi, Lucas não fazia ideia, e também não se importava, desde que não estivesse dentro do quarto. Sentado na porta, finalmente teve tempo para pensar. O que ele faria? Ele precisava fazer alguma coisa? E se seus pais encontrassem a sobremesa vingativa? Ele não teriam chance. Ele teria que pedir ajuda! O bolo devia ser detido. De alguma forma.

  "Dete, liga pra alguém pra pedir ajuda."

  "Pra quem que eu vou ligar?"

  "Pra alguém, qualquer um. "

  "Eu ligo e falo o quê?" ela disse. " 'Alô?! Mãe?! Lembra o bolo do aniversário do Lucas? Então, ele criou vida e quer COMER A GENTE!' Não sei se ela vai acreditar."

 "É só falar que a gente tem uma emergência, e que eles precisam vir aqui o mais rápido possível!"

  Não muito convencida, Bernadete se levantou e foi buscar o telefone. Ela olhou na mesa de cabeceira, em cima da cômoda, na escrivaninha, na cama... Seu rosto era inexpressivo, tão impassível quanto seria a Morte em pessoa.

  "O telefone... Ele..."

  Lucas gelou. Ele sabia onde telefone estava. Claro que sabia, como pôde esquecer?

  "Não..." ele gemeu.

  "Sim."

  "Não..." ele gemeu ainda mais forte.

  "Sim, Lucas. Ele está lá na sala. A gente precisa descer até lá."

  O sangue latejava em seus braços e pernas. Sua garganta estava seca. Ele não queria descer. Ele não queria descer nem um pouco. Será mesmo que ele precisava ir lá? Talvez seus pais... Seus pais. Lucas precisava avisá-los. Ele viu aquela coisa. Qualquer um que recebesse uma saudação inesperada daquilo não seria capaz de sorrir de volta. Isso porque aquela coisa teria comido seu rosto.

  Não, esperar pelos pais não era uma opção. Uma lufada de esperança beijou o rosto de Lucas.

  "A janela! Alguém deve estar na rua. Nós podemos pedir ajuda por ali!"

  Ambos correram pra janela, abriram-na de supetão e começaram a gritar. Gritaram por cinco, dez quinze minutos. Ninguém aparecia. As luzes laranjas dos postes quebravam a escuridão noite, e tornavam tudo mais macabro, como se estivesse de luto pela esperança das crianças.

  "Ninguém vai aparecer" disse Lucas, desolado. Sua irmã não se conformou e continuou gritando, mas ele sabia que aquilo não ia funcionar. E mesmo se funcionasse, o que um estranho faria? Tinha que ligar para alguém. Seus pais também não seriam de grande ajuda. Quem sabe a polícia? Era sua única esperança.

  "Dete, escuta. O plano é o seguinte: Eu vou lá embaixo, pego o telefone e volto pro quarto. Assim, nós podemos falar com alguém. Você fica aqui e me espera, ok?"

  "Tá doido? E aquela coisa lá fora? A gente não sabe onde ela está, nem o que ela tá fazendo. E se ela estiver te esperando atrás da porta?"

  "A gente tem que fazer alguma coisa! Aquele monstro lá embaixo não vai sumir sozinho."

  Os olhos de Bernadete circularam pelo local, e acharam um cabideiro de madeira. Ela o desmontou e entregou a Lucas.

  "Pronto, se aquela coisa aparecer, você empurra ela pra longe e corre pra cá."

  Lucas respirou fundo, e assentiu. Com sua lança improvisada nas mãos, ele se dirigiu à porta. Seus joelhos tremiam, seu coração batia rápido. Sentiu um impulso forte de largar aquele pedaço de pau e se jogar na cama. Choramingou. Sua mão segurava a maçaneta, mas não a abria. Porque tinha de fazer aquilo? Não era mais fácil deixar tudo pra quando eles chegassem? Alguém não poderia salvá-los? Meu Deus, eles eram apenas crianças. Lucas sentiu um afago morno nas costas.

  "Você não precisa ir, se não quiser." A voz de Bernadete tinha um tom preocupado e indulgente. Lucas sorriu. Sua irmã era mesmo um amor.

  "Eu tenho que ir. Vou devagarinho, sem fazer barulho. Desço, pego e subo. Vai ser fácil," ele disse. "Vai ser fácil." Lucas não sabia se mentia para ela, ou para si mesmo. Mas a preocupação da irmã lhe deu direção. Tinha treze anos, já era um homem, e tinha que cuidar da sua família.

  A porta se abriu, revelando o corredor. Até então, nenhum sinal do monstro. "Deixa aberta," sussurrou, " que eu já vou voltar." Mal sabia ele que não voltaria mais naquele quarto.

  No corredor, Lucas andava de mansinho. Passo atrás de passo, sempre esperando algum barulho. Nas escadas, cacos de vidro se espalhavam pelos degraus, obrigando Lucas a fazer um esforço maior ainda. Não havia barulho nenhum. Ele não gostava disso. Não fazia ideia de onde o monstro estava, e odiava ainda mais esse fato.

  Os degraus se foram, e o piso se fez. Lucas procurava o celular com os olhos, pois as pernas estavam muito ocupadas preparando sua fuga caso o bolo aparecesse. "Vamos lá... Cadê você..." Do seu lado esquerdo, estavam a porta da frente, uma janela e parte do sofá encostado na parede. Nada no tapete. Nada no sofá. Olhando para a direita, viu, que encostada na parede e perto do corredor que dava para a cozinha, havia uma mesa. Lá estavam uma fruteira de coisas de plástico, um controle remoto e... o telefone. Ele achou o telefone!

  Os pés de Lucas começaram a se mover.

  No mesmo instante, o gato da família entrou na casa, pela passagem de animais. Sua pelugem era cinza e andava com graça angelical. Chegando mais perto, se arrastou contra a perna de Lucas, ronronando. Xingando baixinho, Lucas enxotou a bola de pelos, caminhou em direção ao telefone. Um passo. Dois passos. Três. Só mais um pouco.

  O telefone começa a tocar.

  O sangue de Lucas gelou, seu interior desmoronou. Como um flash, ele pega o telefone e tenta abafar o som. Mas não foi rápido o bastante. Da cozinha, ele podia ouvir batidas contra as paredes, cada vez mais alta. Lucas botou o telefone no bolso e disparou para a escada.

  Mas, dessa vez, ele não deu tanta sorte.

Lanchinho da Madrugada (parte 1)

 Era um aniversário comum.
 O que é engraçado de se dizer, pois aniversários não deveriam ser comuns. Mas aquele era. Nada muito festivo ou brilhante, só tinha a gente. Minha mãe tinha feito o bolo, e minha irmã fez uns doces. Eu saí com meu pai, para comprar uma decoraçãozinha qualquer. Eu disse que não queria decoração, mas minha mãe insistiu.
 O jantar antes do parabéns foi animado. Meu pai contava histórias da infância dele, de como ele pegava fruta do pé na casa dos outros, de quando quebrou a perna fugindo da casa da namorada - não da casa em si, veja bem, mas do pai dela. Minha irmã foi mais legal comigo do que o habitual. Me deixou ficar com o último pedacinho dos frangos a milanesa. "Não se acostuma com isso," ela resmungou. Uma amor, a Dete.
 Eu fui o primeiro a terminar. Meu pai e minha irmã, logo depois, e minha mãe foi a última. Ainda estávamos na conversa, enquanto terminávamos, e quando o assunto morreu, minha mãe se levantou e retirou a mesa. Minha irmã ajudou ela.
 Enquanto as mulheres estava na cozinha, meu pai falou baixinho pra mim:
 "13 anos, hein?! Tá virando um homem. Se você prometer que não conta pra sua mãe, a gente divide uma cerveja depois do bolo."
 Eu prometi, não sabendo se aquilo era uma coisa boa ou não.
 Minha mãe apareceu, da porta da cozinha, com um bolo todo enfeitado de velas. As chamas dançavam conforme ela andava, e me hipnotizaram tanto que eu nem ouvi o início do cântico. "... nessa data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida." Elas cantavam em coro, e meu pai se juntou apenas com palmas. Eu sorri, e olhei para o bolo. Ele dizia: "Parabéns Marreco!" Marreco é como o meus pais me chamavam quando era pequeno.
 "Vamos lá, faz o pedido," disse minha mãe. Seus dentes brancos contrastavam com sua pele morena e olhos castanhos. Ela era bonita, e eu gostava de tê-la como minha mãe.
 Assoprei todas elas e desejei que a vida na escola fosse mais fácil. Quem sabe, até, que a Sara gostasse de mim, também. Era meu aniversário, e eu podia ao menos sonhar.
 O bolo era de chocolate, com camadas de algo pastoso que também era sabor chocolate, e tinha um belo glacê branco. Ele estava muito bom. Minha irmã deu risadinha e disse que eu tava comendo bolo pelo nariz, ao ver onde o glacê tinha parado. Dei língua pra ela e tirei a pasta doce e branca com o dedo e o lambi. Bolos de aniversário eram tão gostosos!
 Depois que partimos o bolo, fomos assistir tevê, e meu pai me deu um pouquinho escondido. Mas não se consegue esconder nada da dona Marta.
"Paulo! Não dá cerveja pro menino!" minha mãe esbravejou.
"É só um pouquinho, Marta, ele não vai ficar bêbado."
 Provei o líquido âmbar e borbulhante. Era gelado, e muito amargo. Como ele gostava daquela coisa?
 Na tevê, passava um filme de detetive, e eu não assisti muito. Acabei caindo no sono. Acordei de madrugada, com fome. Um lanche ia cair bem, e eu já sabia o que iria comer. Fui na cozinha e abri a geladeira. Lá estava ele, o bolo. Tirei uma fatia.
 Depois do bolo, fui escovar os dentes. A pasta de hortelã era tinha um sabor estranhamente bom. Enxaguei a boca e fui dormir.

Exercício de Ficção: Criar uma narrativa, aplicando a estrutura de cenas e sequências.

                                              A odisseia do café da manhã

  Eu acordei, querendo comer pão no café da manhã. Levanto-me da cama, me arrumo e parto em direção à padaria.
  No caminho, um terremoto, aleatório e curto, parte estrada que leva a padaria a meio, criando uma fenda. Eu preciso atravessar aquele buraco, pois desejo muito comprar pão. A fenda era escura, e parecia funda. Tenho medo medo. Será que conseguirei pular? Eu tomo impulso e pulo. Voando por cima da fenda, aterrizo do outro. Levanto, tiro a sujeira das roupas e continuo minha jornada.
  Um cachorro aparece e começa a latir em minha direção. Ele é preto, um pouco grande e seus latidos são altos.  Tenho medo do dele, e isso paralisa meus movimentos. Respiro fundo, tomo coragem e começo a circular o cão com cuidado. Finalmente, consigo passar pelo cão e chego a padaria. Entro no local, e falo:
  "Bom dia, me vê três reais de pão."
  O atendente, com olhos sinceros e firmes, fala: "Hoje não temos pão."
  Fico indignado! Como uma padaria não tem pão? Eu passei por um monte de maus bucados, e agora eu não posso nem comprar meu pãozinho? Agora, o que faço? Eu posso voltar para casa e não comer meu  café da manhã, mas não gosto nenhum pouco dessa opção. Poderia ir numa padaria mais longe. Não é o longe a ponto de eu perder a hora do café, mas o suficiente para ser irritante.
  Me ponho a caminhar em direção da padaria distante, em busca de meu café da manhã.
  No meio do caminho, percebo qual é a esquina que devo virar para encontrar a padaria. Devo perguntar a um estranho. Acho um senhor simpático e barbudo, sentado num bar. Pergunto-o:
  "Bom dia, senhor. Você sabe me dizer qual destas ruas se encontra a padaria?"
  "Claro que sim! É a segunda esquerda."
  "Muito obrigado."
  "Espere um momento moço," disse o senhor, "não pode me dar uma esmolinha, pra comprar meu almoço?" Sinto pena do velho, e lhe dou um real.
  Cheguei a padaria. Tinha um delicioso pão doce na vitrine, e decidi que ele seria meu café da manhã. Entregando o dinheiro à atendente, peço-lhe:
  "Me vê esse pão doce."
  "Falta um real." É a resposta que ela me dá.
  Sinto-me devastado. Se não fosse por aquele ato de caridade, eu poderia comer o mais incrível dos pães doces! Não poderia deixar passar, assim tão fácil. Eu fiz um grande esforço, merecia comer aquele pão doce. Não era hora de desistir.
  "Você não pode fazer um desconto? Esse é todo dinheiro que tenho!" Persisti com humildade.
  "Me desculpe, mas não posso fazer isso. Normas da casa."
  "Tem certeza?"
   A atendente acenou com a cabeça.
  Suspirando, reconheço minha derrota. Teria de comer aquele pãozinho sem graça. Estendendo a mão, ouço uma voz:
  "Aqui, agora você pode comprar", disse uma menina, tão linda quanto uma anja. Ela me entregava uma moeda de um real.
  "Você tem certeza?" Perguntei, não acreditando que me café da manhã salvo por um ser tão belo.
  "Sim, tenho. Eles são gostosos, não é justo você não provar só  por causa de um real."
  Meu peito se enche de alegria, e com um grande sorriso no rosto, agradeço-lhe. Ela sorri de volta, e seu sorriso derrete  meu coração.
  Volto para casa, com um pão doce na sacola, e o sorriso da anja na minha memória. Não fora uma manhã ruim.

Perseguição Crepuscular

Uma mensagem apareceu no celular:

  "Heey! Parabéns de novo. Eu acabei de achar um presente que é a sua cara! Não esquece - Georgio's, 20h. Esteja lá, ou esteja morto!"
  "Ok, Georgio's, 20h. Eu achava que meu presente fosse você numa embalagem especial nova!", Foi a resposta de Marshall.
  "Você ainda vai me ter, seu bobo. Não se atrase."

  Deus, como ele amava aquela mulher. Estava com Stella a dois ano, e ela era o amor de sua vida. Hoje sairíam para comemorar seu aniversário. Marshall estava animado. Tomou banho, colocou suas roupas legais e um pouco de colônia que ganhara dela como presente de Natal. Saiu para o restaurante.
  O caminho que levava naquela direção do restaurante em questão por um arvoredo, descendo a montanha que abrigava a casa de Marshall. Era no inverno, e as árvores vestiam mantas brancas. Marshall não estava satisfeito em caminhar naquele frio, mas o carro estava no mecânico, e o local era perto demais para gastar com táxi.
  Aquela área sempre teve um aspecto macabro no inverno: A iluminação fraca, a escuridão da floresta com suas árvores de galhos secos, e a estrada deserta, com carros que raramente passavam, e passavam rápido.
  Isso criava uma certa paranoia nele, como se alguém estivesse o observando. Marshall estremeceu diante de tal pensamento e acelerou o passo. O arrepio era real, e não diminuíra, por algum motivo.
  No céu noturno, a lua cheia brincava de esconde esconde, aparecendo e sumindo por entre as nuvens. Robusta e amarelada, ela ainda era principal fonte de visibilidade. Escondera-se. Quando saiu para brincar novamente, um uivo ecoou no vazio em resposta.
  Marshall sentia que estava próximo. Se antes ele marchava, agora quase trotava. Desejava chegar logo no restaurante, onde estaria quente e melhor acompanhado.
  "Droga de frio," praguejou.
  No lado direito da estrada, onde o morro descia, uma série de galhos começou a se quebrar. Alguém se aproximava, correndo pelo Bosque escuro. Mais alto e mais alto.
  Marshall se virou, para antecipar quem, ou o que, espreitava-o por ali. Olhava por entre as árvores, mas nada via. Até que, gradualmente, o local ficou mais claro. Marshall forçava os olhos, e viu.
 

Exercício de escrita - Descrever seu primeiro gato.

Ela era uma graça.
Patas macias e fofas, orelhas peludas, dentes afiados, olhos atentos.
Subia na minha cama, e não me deixava dormir. Se esparramava na
minha cara, ronronado.
Seu ronronar, tão suave, sempre acendia uma lareira morna no meu coração.
Seus olhinhos verdes de atenção despertavam em mim uma curiosidade,
ou melhor, uma necessidade de descobrir o que se passava na cabeça
daquela bola de pelos cinza.
Corria pra lá, andava pra cá, me seguia por todo canto.
Como uma coisinha tão pequenina parecia ter um coração grande?
Eu sinto falta dela. Ela era uma ótima companhia.

O dela.

Pelo.
Tão fácil esquecê-lo.
Tão trivial sê-lo.
Quem, a esse poema, lê-lo,
mantenha no cerebelo,
que fica próximo ao cabelo,
que, engraçadamente,
tão é uma forma de pelo,
que esse poeta, sempre ao vê-lo,
lembrará sempre da loba,
que em seu coração deixou
um belo
selo.

Ensinando Truques Novos Para Raposas Antigas - Ato I

Fonte de energia, ok.
Integridade da câmara, ok.
Reguladores quânticos, quase lá.
Temporizador, pronto.
É isso. Eu já posso dar início ao salto temporal. Aposto que você ficaria orgulhoso, pai. Ou melhor, sei que ficará. Nós vamos nos ver de novo, não? É o que eu espero, pelo menos. Se tudo der certo.
Sua fotografia está comigo, assim como os suplementos de viagem. Notebook, carregador de energia que capta energia solar, barras de ceral, água, corda, enfim. Eu conseguirei sobreviver no mais selvagem dos locais. Talvez. Será?
Vejamos aqui pra onde você foi. Séc. III, huh? Tudo bem, vamos colocar as coordenadas. Onde quer você esteja se escondendo, eu vou te encontrar. Ligando a máquina, ligando a máquina... Aha! Aqui está você revista. Por onde você andou? Para bolsa. Será interessante ter algo para ler.
Motor pronto, tudo fazendo bzz. Podemos entrar na câmara. É isso aí, Renato, você será a segunda pessoa na face da Terra a viajar no tempo. VIAJAR NO TEMPO! Quão irreal isso é? Estou animado, estou animado! Uau, essas luzes são interessantes. Sempre gostei de azul. Está acontecendo.
É isso, é agora, vamos lá...

Ensinando Truques Novos Para Raposas Antigas - Prólogo

Ele era um curioso, aquele menino. Com seus olhões grandes por tráz de um óculos de hastes redondas, ele perguntava o porque de tudo. Ele era um bom menino, o nosso Tinho. Ainda é. Eu ainda me lembro um dia, eu estava fazendo uma goiaba, se não me engano. Um tufão em forma de cotoco de gente saiu em disparada, gritando "Fo-gue-te! Fo-gue-te!" O Patrão, um bom pai que só ele,  veio atrás, todo sorridente. Aquele cotoco de gente era a alegria da vida dele. Eles tinham feito esse trambolho doido de garrafa pet e outras coisas estranhas.

"Que trem é esse, patrão?"
"É o nosso experimento", disse o Patrão. Sorriso de orlha a orelha. " Nós estamos criando um foguete de garrafa pet. Você tá convidada para testemunhar o primeiro voô do... Qual era o nome mesmo, Tinho?"
" O Águia Espacial 3000!"
"Ah, claro! O Águia Espacial 3000. Já estamos pronto para o lançamento, capitão?"
"Estamos!" Gritou o Renatinho, feliz que só ele.
O Patrão, apertando o nariz, começou a falar, "Iniciando contagem regressiva! 3... 2... 1... Lançar!"

De repente, o menino pisou o mais forte que ele podia, e o tal do foguete foi tão alta que eu perdi de vista. E, naquele exato momento, olho pro céu quase de noite, que eu lembrei que a goiaba ainda estava no fogo!

Depois disso, o Renatinho foi crescendo, e resolveu que ia ser cientista. E não é que o enino tinha jeito pra coisa? A última vez que ouvi falar dele, ele estava de novo lá, fazendo um treco estranho na garagem da casa dele. Espero que ele não se meta em encrenca dessa vez.

Continua no Ato I.

Lixo

É irritante. Eu não escrevo histórias ou filosofia: Eu escrevo meus pensamentos.Os ponho no papel, os discorro pela tela, faço-os brotar do branco disponível a mim, gravando minhas palavras para a eternidade. É engraçado como eu posso alcançar milhares de pessoas e passa-las meus pensamentos. Quanto desejaram, e não puderam. Quantos agora podem, mas não desejam. Escrevo meus pensamentos e isso é frustante, pois o que sai deles são apenas jogos de palavras e esgoto emocional. Peço perdão a você, querido leitor, que se dispõe a ler o que eu considero lixo. Ou não, nunca se sabe. O lixo de um é o tesouro de outro, dizia o ditado, redundantemente. Dos meus pensamentos saem as coisas que gosto, as visões distorcidas, os valores corrompidos, as perversões que minha alma anseia. Dos meus pensamentos são confissões egoístas, que não dão valor ao seu tempo e energia. Por isso, perdão. Escrever é minha terapia, e dividir minhas escrita é minha vaidade. Peço perdão não pela terapia, mas pela vaidade. O rico não entra no reinos céus, a vaidade não permite. Mas, ainda
sim a tenho. Qual seria graça da vida sem minha parte humana? E o que seria da parte humana sem a vaidade? Meu coração está repleto de desejos detestáveis e repulsivos, mas não tenho vergonha deles, não senhor. Ou então, eu não estaria dividindo esse texto. Mas, ainda sim, fico irritado comigo mesmo por fazê-lo perder seu tempo com minha vaidade. Não escrevo romances, ciências ou filosofia. Só escrevo lixo emocional em forma de palavras, jogado na lixeira emocional do branco de escrever.

Lições meio "guru"

Eu aprendi que ninguém vai chegar, nenhum milagre acontecerá:
Depende de mim. Eu devo tomar responsabilidade por minha vida,
antes que seja tarde demais. Eu ainda sou jovem, eu ainda posso
não cometer os erros que outros cometeram. Eu tenho uma vida
só, e eu sou responsável por ela. Lembre-se: O que se leva da
vida, o resultado de uma vida, é a vida que se leva, é como
essa pessoa viveu. O resultado da vida é a maneira de como essa
pessoa viveu. E se eu ficar esperando por alguém, se eu não
fizer nada a respeito de minha vida, ela vai embora e eu não
levo nada dela. Pode soar meio "guru" ou auto-ajuda, mas é a
verdade não é?

Eu aprendi que é a humildade que vai te ajudar a manter a es-
tavelmente emocional sempre que começar uma empreitada nova.
Ser realista te mostrará o seu lugar, ser humilde te ajudará
a crescer no seu próprio ritmo, ser perseverante te levará ao
sucesso, ser ambicioso te levará a grandeza. Pode soar meio
"guru", mas é a verdade, não é?

Para o dia-a-dia, o melhor que você pode fazer é aprender a
se motivar e a manter a disposição. Como você faz isso? Contro-
lando as suas influências e atitudes. Por influências eu quero
dizer suas amizades, suas fontes de mídia, a sua dieta e seus
hobbies. Por atitudes eu quero dizer auto-aceitação, positivi
-dade e tomar responsabilidade por seu vida. Pode ser meio "guru",
mas é a verdade, não é?

Eu aprendi que a vida é difícil e que a gente tem que aprender
a ser miserável. "Nossa, como assim?!" Simples! Você tem que a-
prender a passar por tempos difícies da vida sem reclamar. É
isso o que um bom miserável faz. É difícil, sobrecarregador e
torturante. Sim, eu sei. E como você suporta isso? Aprendendo
a mimar você mesmo. É fazer um gesto a si mesmo que você aprecia,
e apreciar cada segundo do seu gesto, como uma folga bem tomada.
Pode ser meio "guru", mas é a verdade, não é?